MOTE

Pelos cantos da cidade
Tu vais com o riso em flor.
              Poeta Gilson Silva e Graça de Lima         

GLOSAS

Tens nome de imperador
E isto é fato concreto,
Obstante tão correto,
Um possuidor de encanto,
Tens também nome de santo
Como nós, um pecador.
És o vôo de um condor
Rapinando liberdade.

Pelos cantos da cidade
Tu vais com o riso em flor.

Nascesse um dia após Cristo,
Pra ser preciso dia vinte seis.
Graça me pediu neste mês
Um mote pra te tão forte
Que agüentasse até o corte
Em glosa de uma só cor
Que tenha sim, um valor
Deste poeta amador
Que escreve com verdade.

Pelos cantos da cidade
Tu vais com o riso em flor.

Este espelho te reflete
Mas não te revelas sonho,
O teu caráter medonho
Nele tu sabes. Não se exibe
E todo camaragibe
Sabe bem o teu valor
Tu jogas ao seu favor.
Eita bela qualidade!

Pelos cantos da cidade
Tu vais com o riso em flor.



Tu estás conectado
Ao mundo tão digital
Twittando assim legal
Com gente cabeça feita
Que bom que não             é da seita
Que vende o criador
Ao preço de camelô,
Nas igrejas da maldade.

Pelos cantos da cidade
Tu vais com o riso em flor.

Tu vais e torço que voltes
Ao bom convívio dos teus,
Que não negociam Deus
Nas portas das casas vãs,
Nas bordas das manhãs,
Enriquecendo pastor
Totalmente sem valor.
Que deturpa esta verdade.

Pelos cantos da cidade
Tu vais com o riso em flor.

Teu nome é de um pintor
Que pintou a três por quatro
Até em anfiteatro
Talvez deu suas pinceladas
Com tintas assim molhadas
Das faces do criador,
Sendo este co-autor.
Eita criatividade!

Pelos cantos da cidade
Tu vais com o riso em flor.

Tu és pra nós o máximo
Divisor tão comum,
O dez nove fora um
Da prova por demais certa
Desta história correta,
Escrita a todo vapor
Pelos os homens de valor,
Sem o carma da vaidade.

Pelos cantos da cidade
Tu vais com o riso em flor.