Tradutor

terça-feira, 29 de abril de 2014

100 anos de Dorival Caymmi



HOJE, 30 DE ABRIL 2014 É UM ANIVERSÁRIO ESPECIAL, É O CENTENÁRIO DE DORIVAL CAYMMI

Dorival Caymmi (Salvador, 30 de abril de 1914 – Rio de Janeiro, 16 de agosto de 2008) foi um cantor, compositor, violonista, pintor e ator brasileiro.

Compôs inspirado pelos hábitos, costumes e as tradições do povo baiano. Tendo como forte influência a música negra, desenvolveu um estilo pessoal de compor e cantar, demonstrando espontaneidade nos versos, sensualidade e riqueza melódica. Morreu em 16 de agosto de 2008, aos 94 anos, em casa, às seis horas da manhã, por conta de insuficiência renal e falência múltipla dos órgãos em consequência de um câncer renal que possuía havia 9 anos.2 Permanecia em internação domiciliar desde dezembro de 2007. Poeta popular, compôs obras como Saudade de Bahia, Samba da minha Terra, Doralice, Marina, Modinha para Gabriela, Maracangalha, Saudade de Itapuã, O Dengo que a Nega Tem, Rosa Morena.

Filho de Durval Henrique Caymmi e Aurelina Soares Caymmi, era casado com Adelaide Tostes, A cantora Stella Maris. Todos os seus três filhos também são cantores: Dori Caymmi, Danilo Caymmi e Nana Caymmi

Caymmi era descendente de italianos pelo lado paterno, as gerações da Bahia começaram com o seu bisavô, que chegou ao Brasil para trabalhar no reparo do Elevador Lacerda3 e cujo nome era grafado Caymmi. Ainda criança, iniciou sua atividade como músico, ouvindo parentes ao piano. Seu pai era funcionário público e músico amador, tocava, além de piano, violão e bandolim. A mãe, dona de casa, mestiça de portugueses e africanos, cantava apenas no lar. Ouvindo o fonógrafo e depois a vitrola, cresceu sua vontade de compor. Cantava, ainda menino, em um coro de igreja, como baixo-cantante. Com treze anos, interrompe os estudos e começa a trabalhar em uma redação de jornal O Imparcial, como auxiliar. Com o fechamento do jornal, em 1929, torna-se vendedor de bebidas. Em 1930 escreveu sua primeira música: "No Sertão", e aos vinte anos estreou como cantor e violonista em programas da Rádio Clube da Bahia. Já em 1935, passou a apresentar o musical Caymmi e Suas Canções Praieiras. Com 22 anos, venceu, como compositor, o concurso de músicas de carnaval com o samba A Bahia também dá.3 Gilberto Martins, um diretor da Rádio Clube da Bahia, o incentiva a seguir uma carreira no sul do país. Em abril de 1938, aos 23 anos, Dorival, viaja de ita (navio que cruza o norte até o sul do Brasil) para cidade do Rio de Janeiro, para conseguir um emprego como jornalista e realizar o curso preparatório de Direito.3 Com a ajuda de parentes e amigos, fez alguns pequenos trabalhos na imprensa, exercendo a profissão em O Jornal, do grupo Diários Associados, ainda assim, continuava a compor e a cantar. Conheceu, nessa época, Carlos Lacerda e Samuel Wainer.

Foi apresentado ao diretor da Rádio Tupi, e, em 24 de junho de 1938, estreou na rádio cantando duas composições, embora ainda sem contrato. Saiu-se bem como calouro e iniciou a cantar dois dias por semana, além de participar do programa Dragão da Rua Larga. Neste programa, interpretou O que é que a Baiana Tem?, composta em 1938. Com a canção, fez com que Carmen Miranda tivesse uma carreira no exterior, a partir do filme Banana da Terra, de 1938. Sua obra invoca principalmente a tragédia de negros e pescadores da Bahia: O Mar, História de Pescadores, É Doce Morrer no Mar, A Jangada Voltou Só, Canoeiro, Pescaria, entre outras.1 Filho de santo de Mãe Menininha do Gantois, para quem escreveu em 1972 a canção em sua homenagem: "Oração de Mãe Menininha", gravado por grandes nomes como Gal Costa e Maria Bethânia. - Dorival Caymmi - Oração Da Mãe Menininha - Heineken Concerts - 1996:  .

domingo, 27 de abril de 2014

Nota da Comissão Política Nacional do PCB - Eleições

Pode parecer difícil entender por que o Partido Comunista Brasileiro (PCB) disputa as eleições com poucos candidatos, em chapa própria ou em algumas coligações com pouca densidade eleitoral, reduzindo nossas chances de vitória.

É porque o povo é levado a pensar que a “política” se reduz às disputas eleitorais e acontece apenas de quatro em quatro anos, ou de dois em dois, já que eleições nos municípios não coincidem com as estaduais ou federais.

A mídia faz com que as eleições se transformem num “show”, escondendo o debate sobre os problemas reais vividos pela população. Nós do PCB não somos um partido eleitoreiro; não queremos crescer a partir de alianças e/ou acordos oportunistas, incompatíveis com nossas ideias e convicções. Por isso, a história das lutas dos trabalhadores brasileiros não pode ser contada sem que se fale no PCB. São 90 anos de vida ativa e coerente em defesa da classe trabalhadora.

O PCB desenvolve uma linha política revolucionária, e acha que nas eleições deve ocorrer um debate profundo sobre a vida dos trabalhadores nas cidades e no campo, que não está descolada da situação do país e do mundo. Os candidatos do PCB não participam das eleições apenas para tentar ganhá-las, mas para fazer com que este debate exista, avançando a luta dos trabalhadores e a organização dos movimentos sociais.

O momento exige uma reflexão sobre a necessidade de uma mudança radical no “desenvolvimento” das cidades. Este deve existir a partir das necessidades dos trabalhadores e das camadas populares, maiores vítimas da exploração e do caos urbano gerado pelo capitalismo. Afinal de contas, sentimos na pele a queda da qualidade de vida pelo aumento da violência e das doenças, pela desigualdade de acesso à educação, ao conhecimento e à cultura, pela destruição do meio ambiente.

O PCB se recusa a fazer parte do jogo sujo que transforma os partidos políticos em meros fantoches de grandes grupos econômicos que não se importam com os trabalhadores. Não usamos as eleições para fazer falsas promessas e enganar o povo. Afinal de contas, o trabalhador vai sendo alijado dos fóruns de decisão e cada vez mais se tornando massa de manobra em favor dos interesses dos poderosos.

Não achamos que “é feio” perder eleições. Entendemos exatamente o contrário; feio é ganhar eleições através da compra de votos, de falsas promessas, de políticas inconsistentes que transformam tudo em jogo eleitoral e afastam a participação popular após o pleito, que trata o eleitor como “consumidor” de candidatos transformados em “mercadoria” pelo marketing e as conveniências do momento.

Nessas eleições, em todas as cidades em que tiver candidatos, o PCB falará uma só linguagem, pois tem um como princípio o compromisso com os trabalhadores. Queremos sim eleger alguns dos nossos candidatos, para que os comunistas transformem seus mandatos em instrumento a serviço da denúncia política, da crítica ao capitalismo, da apresentação de propostas objetivas para os interesses da classe trabalhadora e, principalmente, do apoio às lutas populares e defesa de seus interesses.

Para o PCB, a política não se esgota no voto, não se limita à época das eleições. Os trabalhadores devem fazer política o ano todo, organizando-se, lutando e debatendo tudo que lhes diz respeito como o orçamento público, a educação, a saúde, os transportes, a cultura, a assistência social, a reforma urbana e agrária, a preservação ambiental. E principalmente uma nova sociedade, sem explorados nem exploradores.
Para podermos construir o verdadeiro Poder Popular, só com muita luta e organização todos os dias, não apenas no calendário eleitoral. 

Convidamos você a fazer parte desse projeto, não apenas através de seu voto consciente no PCB mas principalmente de sua participação nos movimentos sociais e políticos populares organizados.

Construa ao nosso lado a nova ordem socialista! Só a luta muda a vida!

PCB – Partido Comunista Brasileiro.

SE ESSA ONDA CHEGA POR AQUI...

Pastor manda fiéis comerem grama para “ficarem mais perto de Deus”

SE ESSA ONDA CHEGA POR AQUI...

O crescimento de igrejas neopentecostais na África vem despertando a preocupação de líderes evangélicos da região por conta das doutrinas e rituais que essas denominações têm difundido entre seus fiéis.
O mais recente exemplo de extravagância, por assim dizer, vem de uma denominação fundada pelo pastor Lesego Daniel, líder do Rabboni Centre Ministries (Centro de Ministérios Rabboni, em tradução livre).
Daniel pediu aos frequentadores da igreja que fossem ao lado de fora do templo e comessem grama, pois a ingestão da vegetação “os levaria para mais perto de Deus”. De acordo com o jornal Daily Mail, o pastor foi obedecido por vários fiéis.
“Sim, nós comemos grama e somos orgulhosos disso, porque isso demonstra que, com o poder de Deus, podemos fazer qualquer coisa”, diz Rosemary Phetha, 21 anos, estudante de direito . Numa entrevista ao jornal local Times Live, Rosemary disse que sofria com um problema de garganta, e após comer grama, as dores passaram.
Recentemente, numa reunião com mais de mil pessoas, Daniel ordenou a alguns fiéis que dormissem, e seis dos frequentadores caíram em sono profundo.
O pastor Lesego Daniel fundou o Rabboni Centre Ministries em novembro de 2012, depois de “escutar a palavra de Deus”. Daniel vem sendo criticado de forma intensa na África do Sul por conta dos “excessos” de sua liturgia incomum.
Fonte: Gnotícias
Veja fotos dos fiéis comendo grama durante reunião com o pastor Lesego Daniel:

quarta-feira, 9 de abril de 2014

sábado, 5 de abril de 2014

HOMENAGEM A JOSÉ WILKER
De: Gilson Silva

Morre o grande José Wilker
Esse cearense arretado
Que foi um cara apaixonado
Pela arte de interpretar
Veio de lá do Ceará,
Eita talento brasileiro!
Fez, e bem: Roque Santeiro
Como Luz Duque Duarte,
Mas fez também com sua arte
Um Zelito, pois, pois
Da novela Bandeira 2.
Fez sem nenhum embaraço
O Atílio de Cavalo de Aço
E fez sim no Bem Amado
Também o Zeca Diabo,
Que ninguém jamais esquece
Não carece de nenhuma prece,
Pois ele era um bom ateu
E comunista como eu
E tu que ler muito Marx
Ele da arte era um craque
Mas a morte lhe deu um baque,
Talvez foi num quarto
Que ele sofre um enfarto
E foi assim bem ligeirinho
Deixando a gente tudinho
Soluçando assim, bem alto
Tu foste pra longe dos palcos
Talvez assim sorrindo
Com o sorriso de Jesuíno
Aquele de Gabriela
No tempo que existia novela
Com poema, texto, bordões
Despertando a todos paixões,
Hoje tu sabes que é diferente,
Tu foste pra longe da gente
Pra se eternizar nos corações.

Recife e Olinda

Notícias do Rosas

> FOTOS DO MERCADO DA BOA VISTA 16/03/2014 <

 

APRSENTAÇÃO DO ROSAS NO AURORA DOS CARNAVAIS 2014

 

 

Degustas Frevos